sexta-feira, 13 de julho de 2018

Sting - If You Love Somebody Set Them Free

Carta de um amor doente.


Escrevo-te uma espécie de carta de amor, das tristes. Das cartas que falam e pedem o amor. Um amor, nosso -  um último reduto a necessidade de te dizer que o meu amor por ti é deixar-te ir pelos teus próprios passos, pelas  tuas  escolhas, até porque são sempre essas que valem e têm razão 
de  existir. Vai, amor meu, que nunca foste, nem amor. Amor meu, se foste de alguém não sei. Que sabemos nós dos outros, ainda que gostemos de ouvir o mesmo concerto de obué?! Eu não aprecio obué, mas eu tenho mau feitio e, por vezes, mau gosto - tu és o meu mellhor exemplo. (Não gosto de obué, mas isso, deve ser, porque sou muito ignorante e, por favor, não me queiras ensinar mais nada,  além do ângulo mais sensual- agora, que  de nada me servirá - das tuas pernas a roçar nas minhas, não me apetece aprender mais nada.) Desculpa a minha sinceridade, nunca leremos os mesmos livros. Com ou sem sofeguidão, o que nos interessava  era aprendemos  a melhor maneira de nos aproximarmos,  quando a noite é quase o dia seguinte e, ainda insistimos em gemer na boca um do outro.
Dizia-te que esta carta de amor é uma carta de amor, um pouco menos ridícula do que as cartas de amor, as habituais...Despeço-me de ti, vou deixar-te, não porque já não aprecie o ângulo do teu abraço no meu peito,  nem  da tua língua atrevida a insistir um cantarolar incompreensivel.Tu cantas bem, a tua língua  desafina um bocadinho, mas isso nunca me incomodou.
Despeço-me de ti, porque estou doente, pertenço ao grupo de pessoas sobre quem todos fazem estatísticas, compram perucas, alvitram menus alternativos e, até oferecem passes em spas extraordinários. Estou doente, tenho uma lesão jeitosa na mama esquerda e se, tudo correr bem,ainda poderei ter as mamas com que sempre sonhei e usarei  chapéu as todas as horas do dia pondo em causa  o protocolo da avó Mariana.
 Vai para os braços de uma Teresa, de uma Sílvia ou de uma Henriqueta, jura - ao contrário da canção do Rui Veloso - que irás ter muitas aventuras, talvez te cases, sejas feliz e compres um apartamento com terraço e janelas de alumínio. 

Não te quero comigo, não aguentarias as agulhas espetadas, a cabeça rapada, o vómito que não cheira a gin, nem a tequilha, a cor pardacenta, as mamas riscadas numa cicatriz brutal.

Dá-me a única prova de amor - que afinal nunca sentimos um pelo outro - e vai para a tua vida tão banal e suburbana , quanto a minha: apenas diferem nos acordes do Satie e no refrão das cantigas da Laura Pausini.


A partir de hoje, estás proibido de (tentar) gostar de mim, ou de me incluires em qualquer playlist ou pensamento mais lúbrico. Por favor, deixa-me desaparecer, para sempre e pensar que terás uma bela família com perú no Natal e prendas no dia do teu aniversário.

Eu estou bem, acredita, quando no colégio imitava a Marisol estava muito longe de imaginar que a vida me daria o amor de uma vida, filhos bonitos, e  casas de janelas rasgadas e luminosas com vista para os rios que correm na minha aldeia. Não sei se tive tudo da vida, espero ter muito mais, mas não fiques à minha espera para jantar.

Recebe o meu beijo.

Recebe-o ao som do Abrunhosa ou da Adriana Calcanhoto, a escolha é tua.



Talvez demore. 

Adeus.

sábado, 22 de abril de 2017

Nem todo o lixo é reciclável.


https://youtu.be/--DbgPXwLlM





Nem todo o lixo é reciclável.


À direita, as manchas castanhas de um lodo que, ainda, não espelha o céu. Sopra um vento frio e ao sol, por enquanto, não lhe interessa celebrar a primavera – a natureza tem destas coisas: o sol não aquece como soía. Encolho-me num  banco de veludo azul muito coçado. Gosto muito de andar de comboio - «Prefiro rosas, meu amor, à pátria», dizia o poeta. Eu prefiro comboios. Encosto-me e sinto a cabeça a latejar. Um latejar sem fim. Quando olho o meu reflexo no vidro da janela vejo um rosto esverdeado de óculos escuros e, se olhar bem, ainda decifro as rugas de tristeza e de inquietação que se vão acumulando. Através deste reflexo consigo ver o mar. Oiço o alegre vozear de quem vai eufórico para mais um fim de semana. A meu lado, sentam-se homens que falam com aprumo o linguajar do sul, têm o rosto queimado pela luz das marés, à minha frente, um grupo de adolescentes, desses que são iguais em todo o lado.
Tudo comum, banal e corrente.

O tempo passa e nós permitimos a sua passagem

Às 16h15m, comi dois rissóis (as empadas eram da véspera, obrigada, menina, foi muito gentil),e meio litro de sumo de frutos vermelhos. Talvez fumasse um cigarro. Às 16h24m partimos para a última estação desta linha de comboio, a essa hora começará doer-me a cabeça. Sinto a cabeça e os olhos não me pertencem. O corpo reage a este frio, o cansaço não pediu licença e sentou-se. Não é hábito conversarmos: gostamos de não ter assunto. O caminho demorará pouco mais de 1h30m. É nestes momentos que penso no silêncio, ou em ti, por exemplo,

Venho das casas da cidade um emaranhado de ruas e avenidas largas organizadas por rotundas. Oh! Gloriosas e redondas rotundas. (os espanhóis chamam-lhes glorietas – é mais bonito!) Escondido, imponente e doentio, arruma-se o hospital. Um grande e feio hospital, não sei se o hospital é feio, porque é um hospital ou porque o arquiteto não gosta de desenhar hospitais.

Penso na palavra envelhecimento e nem me vem à memória «nenhuma frase batida», apesar de saber que hoje é o resto da minha vida.
Insisto em envelhecer : as marcas que a inevitabilidade do tempo, deixa nas mãos, nas pernas, na cabeça, na pele.

(Afinal, o casal francês era muito antipático, ensinei-lhes na sua língua nativa o nome da estação onde deveriam descer, expliquei-lhes que as praias de Sotavento eram muito bonitas e calmas...areias brancas, mar azul, um barquinho para mostrar recantos mágicos da Ilha Formosa, falámos de política da Senhora Le pen, também não gostavam dela, ainda referi chocada o tiroteio aux Champs Elysées, não conheciam, não sabiam de nada, estavam de vacances à cause de notre retraite e quando se apearam na Fuzeta eu já não existia – quand on est con, on est con, voilà!)

Volto ao pautado do meu caderninho azul. Escrevo ‘Felizmente, está a envelhecer bem.’ - uma daquelas frases que não fazem sentido. Ninguém é feliz, porque envelhece. Ninguém envelhece felizmente. Envelhecer é uma merda – o corpo trai-nos: perdemos a vontade, o desejo, os sonhos, as pessoas, algumas palavras.
Adoecemos; precisamos dos hospitais. O hospital que ficou para trás e onde se adoece e se envelhece e se vive... Talvez devêssemos ficar por aqui: antes do tremor nas mãos e dos pulmões mirrarem. Não me lembro de ver crianças. Não havia crianças nas salas por onde passei. Quase irónico o sorriso a que me agarro. Salas enormes onde uma velhice assexuada mal respira. Há dor, gemidos, sangue, batas de várias cores, estetoscópios (obrigada, Priberam) e o lixo – farrapos de pessoas que já não prestam – e do outro. Ali, estendida e sem veias imagino que esteve uma bonita mulher, uma cabeleireira, uma secretária, uma boa mãe, ao lado, e debaixo de um lençol imaculado, está um professor, talvez, um hábil carpinteiro, percebem-se os ossos sem pele através dos tubos, das máscaras. Um senhor desequilibra-se, ajudo-o com o urinol de cartão pardo:« - Deixe estar, menina, o resto faço eu.», ri-se, eu não tenho essa coragem. Olho, mais uma vez, - macas alinhadas contra uma parede, cortinados azuis, mãos diligentes, gestos profissionais, alguma ternura, agulhas e luvas descartáveis. Não tarda virá, antes da próxima ampola de antibiótico, o suspiro que os levará para outra cama qualquer. Não gosto desta sala. Não gosto destes farrapos, assim, farrapos humanos. Não gosto do que resta das mãos que faziam a melhor compota de laranja do mundo, não gosto do que resta do riso fácil.

A dor de cabeça ficou, fazem-me companhia as laranjeiras, vários apeadeiros e um casal de holandeses, não nos é indiferente o volume obsceno do toque dos telemóveis “ultima geração”.
Regresso à sala das muitas camas e despeço-me - «Felicidades, menina. Que Deus Nosso Senhor nunca lhe falte. Vá com Deus, deixe estar a sua mãezinha adormeceu, estava cansada, coitadinha. » Agradeço os votos. Agradeço a dignidade e a luta desigual. «Olhe, menina, pode ser que nos encontremos, por aí. Quando for a Albufeira, não se esqueça: é a velhota da casa amarela. Que nada falte aos seus meninos. » Não esquecerei. Não me esquecerei da casa amarela, dos velhos, nem daquela sala de doença e lixo.

Faro/Vila Real de Santo António, 21 de Abril de 2017.

(Releio o que escrevi e páro na palavra lixo, penso em apagá-la, não a apago: não posso deitar fora a miséria, a doença, o abandono, a morte. Na capa deste caderno onde escrevo pode ler-se apalavra VIVER.)


Envelhecer é uma Merda!





sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

O meu natal ou a Senhora do Chapéu.

Pintura de Sandmann Corte-Real


                                           O meu natal ou a Senhora  do Chapéu.

Venho da rua, venho do centro das luzes da confusão em sacos com embrulhos, dos flashes das selfies, dos gritos das pressas dos encontrões. Este ano não andei à procura de presentes, não organizei lista de compras, não comprei guardanapos de papel encarnados, não decorei a casa - há em cima de uma prateleira, entre dois castiçais que moram neste casa o ano todo e uma caixa chinesa, uma estrela de natal, tem umas folhas encarnadas e uma folhas verdes a quem a resiliência não assistiu e amareleceram, acabando por murchar e cair – não tenho uma árvore verde a acender e a apagar, não espalhei presentes pela casa, não expus cartões de Boas Festas  (ainda se recebem postais com sininhos e trenós?) tirando a mancha encarnada, pode dizer-se que cá em casa não entrou o natal. Estarei doida? Demente? Descrente? Indiferente? Infeliz? Farei parte daquele grupo que não festeja o natal, porque o mundo se tornou um lugar horrível e eu tenho de ser solidária e sofrer até todas as peles do polegar sangrarem? Ter-me-ei tornado uma pessoa (ainda mais) cínica? Não sei. Vivo o natal desde que respondo pelo nome que vem no Cartão de Cidadão. Ainda oiço as gargalhadas à mesa na noite da consoada. Nunca comi muito, mas ficava eufórica com a mesa a cheirar a fritos, lambia nos dedos a calda  que escorria das filhós, depenicava a posta de bacalhau e sempre me foi permitido comer - “deixem lá a miúda comer o que quiser!” - uma transparente posta de bacalhau pingada com azeite e sem couves e outras tradições. No meu natal – o que guardo e me aquece – havia tudo: árvore com bolas de vidro, luzes, presépio com musgo e a esperança de que mesmo que tivéssemos tido muitos erros no ditado ou pronunciado o“tal” nome feio, o Menino Jesus não se esqueceria do nosso sapatinho à chaminé. E se era grande a chaminé! Havia sempre o que eu tinha pedido, muitos abraços, muito colo, muito rir, muito vinho, gente, burburinho e fantasia. Durante algum tempo, fui a única menina a pôr o sapatinho à chaminé. Depois vieram outros meninos. A mesa aumentou e os preparativos começavam mais cedo, tornei-me  cúmplice da surpresa que o Menino Jesus traria para os primos, continuámos a estrear todos uma roupa melhorzinha (malditos sapatos que apertavam os pés, já, chatos, e educados pelas botas horrorosas da Lisbonense!), as mulheres iam ao cabeleireiro e na cozinha a mesa estava sempre posta. Passei um Natal num hotel em Sevilha, coisas da política que eu só percebi com 15 anos. E, mesmo já mulher independente e petulante continuei a celebrar o Natal. Atravessei várias águas para comer o peru recheado pela minha mãe e passei aos meus filhos a euforia do feliz encontro de uma família divertida, unida, comilona e muito generosa. Ensinei-lhes, sem missa do galo, que o natal era encontro, abraços apertados, surpresas e cumplicidade. E foi assim até…até há dois, três anos. O ano passado foi quase igual – quase – igual aos outros natais de gargalhadas e luzes a piscar.
Este ano despejei 8 euros na mão da florista trouxe a tal estrela para casa: “Pronto, meninos, aqui está o nosso ‘apontamento’ de Natal”, “ É de plástico?”, “Não, não é de plástico. E ficará viçosa até Junho. “ Enganei-me, mas isso também não tem importância. Este ano, teremos um natal diferente. Ou a festa será, apenas, diferente. Fui à Baixa, vi as luzes, comprei um presente e daqui a pouco vou guardar numa mala de viagem uma escova de dentes e umas camisolas quentinhas.  Vou para sul. Vou receber o meu abraço.
Não estou infeliz, não sinto o vazio de não ter natal com 20 pessoas à mesa, nem choro lágrimas saudosas e sofridas. Estou em paz. O natal mudou: morreram-me avô, avó, primos e tios, morreram-me amigos e na mesa de jantar dos meus pais mal cabem cinco pessoas. Irei à terra como tantos outros lisboetas que não nasceram na Maternidade Alfredo da Costa. Encontrarei os meus amigos. Daremos gargalhadas à beira-rio. Comeremos bacalhau, Bolo Rei, broas e chocolates. Somos poucos, por isso, em vez de peru haverá um capão recheado.
Vim da rua, dos atropelos. Na Praça de Comércio há uma árvore gigante, olhei-a de soslaio. Vinha a pensar numa miúda, muito jovem, pintora, que espalhou pela Rua do Carmo a sua arte. Comprei-lhe uma tela pequena, uma mancha de azul Klein e uma cabeça feminina com um chapéu. Chamámos-lhe A Senhora do Chapéu.  Nos momentos que conversei com ela, percebi-lhe a força e a vontade. A miúda tem um bom traço. E tem. Gostei dela e do seus dezoito anos de verdade e vaidade. (Tenho esta mania de comprar coisas na rua, quadros, fotografias, bijutaria e de ficar à conversa com quem vende o melhor que tem.)
 Chego a casa, ligo o rádio, chegam a música e as vozes preparo um Gin Tónico – em balão, como deve ser – e ponho-me a escrever. Afinal, o natal, não, não é quando um homem quiser o natal é o que um homem quiser que ele seja. Nos corações. Na esperança. 
Como poderei estar infeliz ou sentir-me sozinha?
Árvore de natal para quê? Tenho o coração quente e memórias sorridentes, sem rabanadas, nem broas. 
É a vida - a minha vida  e gosto dela assim.

(confesso que com o entusiasmo da Senhora do Chapéu, esqueci-me do gin, do gelo e da água tónica, a base do balão é uma poça de gelo derretido azul e redonda)



terça-feira, 1 de novembro de 2016

No dia dos mortos. Para a Paula B. e para a Paula Guerreiro que não tem feiecebuque

                    



https://youtu.be/Ik8ktuRwIRo



No dia dos mortos.
Quem me conhece sabe que não sou de celebrações religiosas, não vou à missa, não tenho santinhos, não guardo relíquias da Nossa Senhora de Fátima  e não entendo o significado da palavra pecado, mas entro nas Igrejas, porque - mesmo as mais 'modernaças' - são sítios lindos e muito frescos no Verão, não rezo (acho que nem sei!), e tenho uma forma particular de olhar para o Divino. Celebro o Natal, porque sempre o associo à minha infância feliz e porque a minha mãe faz o melhor perú recheado do mundo. No dia de Natal, quando estávamos todos juntos, o almoço arrastava-se para o lanche que, por sua vez, se comia à ceia e as gargalhadas eram muito melhores que as prendas que todos recebíamos, também "montava" a árvore de Natal com o meu avô, esses são os momentos que guardo com muito amor e ternura de um dos meus mortos mais queridos. Todos temos os nossos mortos, todos temos os nossos mortos mais felizes. Se, com a morte dos meus avós, aprendi o significado da palavra perda, também, foi com a morte de ambos que aprendi a respeitar e amar todos os mortos que, por mim, já passaram, estranha frase esta! Gosto de todos os "meus" que morreram. Amo a recordação que tenho deles, a felicidade que com eles vivi e aquilo que de bom me deixaram - não tenho mortos que me tenham feito mal ou não gostassem de mim e eu deles, creio que acontece o mesmo com toda a gente! Mas o que aprendi de mais completo e, por isso, tão sério e íntimo é o não temer a morte. Sou "uma temerária muito católica”, como alguém me chamou, um "não digas isso filha, que Deus castiga," ou, ainda, uma tola armada em corajosa. A ideia da morte - da minha morte - entenda-se - não me assusta. Não saber o que está além, no outro lado, ou se há Céu ou Inferno deixa-me alguma (muito pouca) ansiedade, ou melhor, uma grande curiosidade. Serei uma herege, ou uma mulher pouco inteligente, ou mais alguns epítetos, aceito-os e respeito-os todos - insultos, lamento, mas não oiço! E, diga-se, passo o cliché, tenho mais medo e respeito pela vida. E, se amanhã não acordar? Sim. É verdade, não pagarei as contas, nem corrigirei testes, mas que vida não deixo por viver? Espero acordar viva, amanhã e mais algumas madrugadas? Então, como viverei eu? Como serão os meus melhores momentos? Como conseguirei viver os mais difíceis? Que posso eu fazer, bem, com estes sóis e estas chuvas que estão para chegar? Ui! Pensando bem, este maldito hábito de pensar! É da vida, da vidinha e das outras vidas menos pindéricas que eu tenho medo. Medo, medo, não tenho.
 Tenho pavor!

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Regressso à escola

Regresso à escola, regresso aos "meus" meninos do 8ªAno.
( no 8ºAno, então quarto ano dos liceus, era tão parvinha!!!!)
A temperatura é elevada, as salas tresandam a hormonas, há 'beijinhos' e abracinhos agarrados ao meu pescoço, risadas, mãos suadas, olhos a brilhar «Tivemos saudades suas, Está tudo bem? Já se sente com força para trabalhar? A stôra não teve um cancro ou uma coisa dessas? (viva a sinceridade dos 12 anos!) Já consegue estar tão gira? Olha tem uma tatuagem! Nunca tive um stôr tatuado! Já sabíamos que era nossa stôra, sabe, nós gostamos de si, às vezes, grita um bocadinho! Nâ,nã grita nada! Nós somos bué chatos! É este ano que nos leva ao teatro? E ao cinema ? E vamos comer o gelado do ano passado? Desculpe o atraso, mas posso dar-lhe um beijinho? Vi a Stôra na praia! Vamos ler muitos livros este ano? E a gramática? Prometo, este ano, portar-me tão, tão bem,,,Prometo que não interrompo as aulas e faço os tpcs, prometo stôra, este ano sou outro Manel! Stôra, stôra, posso ser eu a sua secretária? Eu! Eu! Oh! Stõra eu tive 5! Já vai marcar os testes? Tem a certeza...» Certezas, cada vez tenho menos, e, se não fossem todas estas perguntas, o meu dia, hoje teria sido, apenas, mais um dia de trabalho. Não foi. Cada vez tenho menos certezas: não sei se a minha disciplina lhes trará alguma felicidade, não sei se os muitos noventa minutos que teremos pela frente o resto do ano serão de entusiasmo e alegria, não sei se ficarão a perceber a utilidade de um complemento oblíquo, ou se daqui a meia dúzia de anos se lembrarão das rimas cruzadas e emparelhadas, nem tão pouco se conseguirão distinguir um verbo de uma preposição. Não sei, nem sei se tudo isto terá alguma importância, não sei e passo a arrogância socrática (falo do filósofo grego, claro!), e, confesso, que, neste momento, nada disso me interessa. Hoje, foi um dia de trabalho feliz.
Amanhã, logo se vê!
(Também não me lembro de ter tido algum professor tatuado, se calhar tive, estaria escondida e talvez dissesse : Amor de Mãe. Guiné 72 e por cima, muito bem desenhada a cor de rosa e azul um rosto de mulher. Não sei! Fica a dúvida!)


sábado, 17 de setembro de 2016

Pode o Amor ser tão Cruel? V A Décima segunda carta de amor.




Pode o Amor ser tão Cruel? V




Carta de Amor número XII

Minha serenidade, minha.

 Com tranquilidade  e lucidez de  quem se diz tão inquieta, a tua carta falou-me de ti como nunca tinhas falado.
A tua carta falou de ti e de abraços.
Tens razão, estava preparado para te dar outro abraço e, talvez, outro abraço, ainda, a palavra abraço, quero eu dizer!
Não sei de mim, não sei o que quero - talvez o que não quero seja, para mim, mais sincero.
Somos construídos de sangue, de sonhos, de lágrimas e de memórias - o corpo tem memória - disse-te num dos nossos longos papéis, não concordaste: é a tua razão! Não sou assim.
Temos conversado e trocado as nossas vidas. 
Uma noite e outra e outra…
Fico inquieto.
Há dias em que estou sem ânimo.
Há dias em que penso muito em ti.
Há momentos em que não consigo explicar: o que é isto? Esta intensidade, esta emoção, este arrepio sem nome.

Sei muita coisa. Li muitos livros. Conheci muita gente e travei muitas batalhas. Viajei e perdi-me. Vim de outra cidade. Sonhos, desejo, música e mulheres sempre me acompanharam. Insaciável, sou um diletante confesso - um amante de mulheres.
Sei de cor poemas inteiros. Já te li alguns, sussurrei-tos em parágrafos curtos  para que só tu os ouvisses!
 E é isto que eu não entendo - falta-me a pele, o cheiro, o gesto das mãos, o brilho do teu sorriso. Esta distância, assim! 
(Conseguiremos viver nesta sombra?)
Este estar sem tempo são cartas que escrevemos um ao outro. Nada mais.
Tord faz-me companhia e aprendi contigo música, poemas, sentires - como vês eu não sei tudo e o que sei não me serve para nada. E sei o que me irás dizer a seguir!
Chamas-me tua serenidade e eu entendo, fico contente, é bom ouvir dizer-te isso, na tua caligrafia imperfeita a rasgar as linhas. Mas falta-me tua cintura, ou a tua presença. Mulher! Dizes que tens grilhões eu prefiro dizer laços... Vês, tu? Sou esta "coisa indefinida entre nada e coisa nenhuma", num quarto " cheio de janelas " e com um coração que é " o teu e trago dentro de mim".

Se eu quisesse ter ouvido tudo isto, seria só poesia ou desejo. Ou o gosto de ver o mar contigo. Durante horas. Mulher.
E, se nos apetecesse o silêncio!? Ou um beijo?

Continuaremos a escrever, mais logo.
Que mais poderemos fazer, minha serenidade minha?






(Nunca se encontraram e de ambos ficou apenas um amontoado de papéis a amarelecer numa gaveta sem graça e a cheirar a bafio.)




sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Pensamentos profundos ou como fazer uma lista de supermercado é uma actividade muito tranquila. Com pouco vernáculo e banda sonora de outra era.





Pensamentos profundos ou como fazer uma lista de supermercado é uma actividade tranquila.
Com vernáculo, mas pouco.

( o feicebuque perguntou-me. "Em que estás a pensar?")
Estou a pensar em mil coisas, posso fazer uma lista, mas podia confundi-la com a lista das faltas e não me dá jeito nenhum trocar detergente para a loiça com emoções, estou a pensar, por exemplo que hoje é noite de lua cheia, estou a pensar que na segunda-feira conhecerei os meninos que ficarão comigo o ano todo, penso que estou a preparar um programa inteirinho de Literatura Portuguesa, penso que a partir de segunda-feira terei de anotar tudo na agenda, estou a pensar que terei de me deitar às onze da noite, estou a pensar que os livros têm de ser reorganizados, estou a pensar que verei os meus pais com menos frequência, estou a pensar num fim feliz para um conto e que eu só sei escrever "cenas assim a dar pró triste", estou a pensar que a música dos Radio Macau, que oiço neste momento, já não me faz abanar (devo estar muito crescida), estou a pensar que as minhas pernas tremerão nas primeiras aulas como sempre acontece há 35 anos (Irra, não perco o nervoso miudinho do início do ano lectivo!), estou a pensar, ainda, na conversa do Arturo Pérez-Reverte, estou a pensar que terei de tomar decisões importantes, tais como comprar uma máquina de lavar loiça ou um computador 'à maneira', estou a pensar que as trezentas e cinquenta e quatro consultas médicas que terei de marcar para mim e para os miúdos já deveriam ter sido marcadas (mãe relapsa que troca a praia pelos médicos, pois!), estou a pensar que precisarei de dias com trinta horas, estou a pensar que as minhas horas felizes de leitura e escrita terão de ser reduzidas a menos de metade, estou a pensar que o Outono está chegar (Viva o Outono!), estou a pensar em frivolidades, porque, na verdade, o que não me sai do pensamento é que o meu encantador caloiro de Direito está a partir de hoje a viver no outro lado da cidade. " Mãe, não fiques triste, a casa do pai é ao lado da minha faculdade (enfatizou a minha faculdade), e eu virei todas as semanas ao treino, aqui ao lado de casa.Então, Mãe, não me ensinaste que as asas servem para voar?!". E, agora, também fiquei a pensar: "Mãe, eu sei que tu não gostas, mas vou para as praxes". Viria a calhar, neste desabafo feicebuquiano, um verdadeiro e grande palavrão - puro vernáculo - mas eu prometi ser contida.
Vou continuar a pensar na melhor maneira de arrumar as gavetas, talvez rasgue papéis o resto da tarde. Pensamentos domésticos, sem grande metafísica!
Porra, José tens mesmo necessidade de ir às praxes???!!!!
Que coisa! Não foi para participar nestas merdas que te falei em asas e, pronto, lá se foi a contenção com o vernáculo!